COPA 12 - 2019
  • tabela
  • classificação Geral
  • artilharia
  • regulamento
  • plano de ação
  • Goleiro menos vazado
  • Classificação por Fase

2ª COPA DE FUTEBOL 11, 12 e 13

TEMPORADA 2019

REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO - REC

 

CAPÍTULO I

DA DENOMINAÇÃO, PARTICIPAÇÃO E DIREÇÃO

 

Art. 1º - A 2ª Copa de Futebol 11, 12 e 13 - Temporada 2019, doravante denominado COPA, é organizada pela Federação Paranaense de Futebol (FPF) e será regida por este Regulamento Específico de Competições (REC), no que se refere ao sistema de disputa, critérios de participação e outras matérias específicas e vinculadas a este torneio; e pelo Regulamento Geral de Competições (RGCNP/2019) da FPF.

Parágrafo único – Em caráter subsidiário, o REC se submete também ao Regulamento Geral das Competições da Confederação Brasileira de Futebol (RGC/CBF/2019), ao Regulamento Nacional de Registro e Transferência de Atletas de Futebol (RNRTAF/CBF/2019) e a todas as outras normativas nacionais pertinentes.

 

Art. 2º - A COPA será disputada por 4 (quatro) Entidades de Prática Desportiva - EPD (CLUBES), sendo promovida, organizada e dirigida pela Federação Paranaense de Futebol (FPF), obedecendo ao disposto neste REGULAMENTO.

§ 1º - Para participarem da COPA, os CLUBES devem preencher todos os requisitos constantes do Estatuto da FPF, e ter pedido de inscrição na COPA deferido pela FPF de acordo com o edital de convocação para a reunião do Conselho Arbitral da Competição.

§ 2º - De acordo com os critérios deste artigo, os CLUBES participantes da Temporada 2019 são os constantes do ANEXO I deste REC.

 

Art. 3º - Os CLUBES poderão desistir de disputar a COPA, até o término da reunião do Conselho Arbitral, sem estarem sujeitos às sanções previstas no Regulamento Geral de Competições – RGCNP/2019 da FPF e art. 204 do CBJD.

 

Art. 4º - A COPA ocorre na forma deste REC e da tabela de jogos, sendo ainda regida pelo RGCNP/2019 da FPF, Estatuto da FPF, e resoluções emanadas dos poderes da FPF.

§ 1º - A tabela de jogos, composta de mandos de campo (locais), datas e horários, será elaborada pela FPF e divulgada no Boletim Oficial e no campo Competições do sitio eletrônico da entidade, no prazo e forma legais, devendo ser rigorosamente observada pelos clubes.

§ 2º - A tabela de jogos pode ser alterada por conveniência da FPF, por medida de segurança ou decisão judicial da Justiça Desportiva, ou ainda, em comum acordo, conforme o RGCNP/2019.

 

Art. 5º - A FPF detém todos os direitos relacionados à COPA e é responsável pela sua realização, organização e elaboração do RGCNP/2019, REC e da tabela da competição.

 

CAPÍTULO II

DO SISTEMA DE DISPUTA

 

Art. 6º - A COPA tem início e término previstos na tabela de jogos publicada juntamente com este REC.

 

Art. 7º - A COPA será disputada em 02 (duas) fases, tendo seu início previsto para o dia 23/06/2019.

PRIMEIRA FASE

Art. 8º - Na primeira fase os CLUBES formam o Grupo A e se enfrentam em turno e returno.

 

GRUPO A

CLUB ATHLETICO PARANAENSE

LONDRINA ESPORTE CLUBE

PARANÁ CLUBE

 

SOCIEDADE ESPORTIVA RENOVICENTE

 

§ 1º - Os CLUBES começam com 0 (zero) pontos e jogarão dentro do grupo, em turno e returno.

§ 2º - O mando de campo das partidas será fixado na tabela divulgada pelo Departamento de Competições da FPF, sendo mandante o CLUBE que figurar do lado esquerdo da mesma.

§ 3º - Ao final da Primeira Fase, classificam-se para a Segunda Fase os dois primeiros colocados (1º e 2º colocados).

 

SEGUNDA FASE

 

Art. 9º - Na Segunda Fase, chamada FINAL, os 02 (dois) CLUBES classificados na Primeira Fase formam o Grupo “B” e jogam partidas de ida e volta.

 

§ 1º - O grupo “B” ficará assim distribuído de acordo com a classificação obtida pelos CLUBES na Primeira Fase:

 

GRUPO B

1º COLOCADO DO GRUPO A

X

2º COLOCADO DO GRUPO A

 

§ 2º - O mando de campo da segunda partida será atribuído ao CLUBE que houver somado o maior número de pontos ganhos, considerados os resultados obtidos na Primeira Fase, observando-se, caso necessário, os critérios de desempate previstos no RGCNP/2019.   

§ 3º - Caso haja, ao término da segunda partida, igualdade de pontos ganhos, serão cobrados tiros livres diretos da marca do pênalti, conforme determina a Internacional Football Association Board, até conhecer-se o CLUBE vencedor.

§ 4º - Será considerado CAMPEÃO o CLUBE que somar o maior número de pontos ao final da segunda partida, considerados os resultados exclusivamente obtidos nesta fase.

 

CAPÍTULO III

CLASSIFICAÇÃO GERAL

 

Art. 10 - Ao término da COPA, será efetuada a Classificação Geral da Competição, da seguinte forma:

§ 1º - O Campeão e Vice-Campeão serão os CLUBES que disputarem a Segunda Fase da COPA e estarão, respectivamente, nas primeira e segunda colocações da Classificação Geral da Competição, independentemente da soma de pontos.

§ 2º - A classificação da terceira a quarta colocações serão ocupadas pelos clubes não classificados à Segunda Fase, sendo considerados para efeitos de classificação os pontos obtidos na Primeira Fase, observando-se, caso necessário, os critérios de desempate previstos no RGCNP/2019.

 

Art. 11 - Depois de iniciado o CAMPEONATO, caso um CLUBE abandone a competição ou sofra eliminação do CAMPEONATO por ordem da Justiça Desportiva ou Ato Administrativo, seus jogos serão anulados, e os resultados desconsiderados para todos os efeitos, prevalecendo somente os efeitos disciplinares.

§ 1º - Também será considerado abandono do CAMPEONATO caso um CLUBE sofra a aplicação de 02 (dois) W.O., nos termos do art. 203, §3º, do CBJD e art. 41 do RGCNP/2019.

§ 2º - Independentemente do momento em que se caracterizar o abandono ou eliminação, para efeitos desportivos, o CLUBE eliminado ou que abandonar o CAMPEONATO será o último colocado na Classificação Geral prevista no art. 13 deste REC.

§ 3º - Caso um ou mais CLUBES abandonem, desistam ou sejam eliminados do CAMPEONATO, para efeitos da Classificação Geral, serão preteridos os CLUBES que tiverem disputado menos partidas. Caso o número de partidas coincida, será observado o critério de pontuação e, havendo igualdade, serão utilizados os critérios de desempate previstos no RGCNP/2019.

 

CAPÍTULO IV

DOS ATLETAS E DA CONDIÇÃO DE JOGO

 

Art. 12 - Terão condição de jogo na COPA 11, 12 e 13 os atletas registrados em nome dos respectivos CLUBES disputantes junto ao DRT-FPF

e que constem no Boletim Informativo Diário-eletrônico (BID-e) da CBF (categorias 12 e 13), respeitados os prazos, quantitativos e faixas etárias estabelecidos neste artigo. Os atletas disputantes da COPA 11 terão seus registros efetuados apenas junto ao DRT-FPF, devido à faixa etária dos mesmos e todos habilitados na Relação de Inscrição de Atletas da Competição, até o último dia útil que antecede cada partida.

§ 1º - A habilitação dos atletas para a COPA será realizada pelos CLUBES exclusivamente pelo Sistema de Gestão da FPF (éGol). A mesma poderá ser efetuada até às 23h59min do dia útil anterior ao da realização da partida. Considerando também, o prazo final de registro, conforme § 5º deste artigo.

§ 2º - A Habilitação de Atletas considera apenas a inscrição dos mesmos na COPA pelos respectivos CLUBES, desconsiderando punições aplicadas pelo TJD/PR e STJD e/ou suspensões automáticas por cartões amarelos e vermelhos, ficando este controle de responsabilidade exclusiva dos CLUBES participantes.

§ 3º - Para a 1ª rodada do CAMPEONATO, terão condição de jogo, somente os atletas que tenham o processo de registro não profissional protocolado no DRT-FPF até 14/06/2019, e que cumulativamente constem no Boletim Informativo Diário-eletrônico (BID-e) e habilitados na Relação de Inscrição de Atletas da Competição, pelo respectivo CLUBE, até o último dia útil que anteceder a 1ª rodada. Os atletas que não tenham 12 (doze) anos completos não terão seus nomes publicados no BID-e da CBF, sendo que sua condição de jogo se dará apenas pelo registro junto à FPF e sua habilitação na Relação de Inscrição de Atletas da Competição.

§ 4º - Em decorrência do parágrafo 3º deste artigo, não serão aceitos pelo DRT-FPF, novos pedidos de registro e de renovação do cartão de identificação do atleta do dia 15/06/2019 até o primeiro dia útil após o término da 1ª rodada.

§ 5º - O prazo final para que os atletas constem no Boletim Informativo Diário-eletrônico (BID-e) da CBF e especificamente na categoria 11 o registro junto ao DRT-FPF, bem como habilitados no sistema da FPF em nome dos respectivos CLUBES, e também para pedidos de renovação do cartão de identificação do atleta, será o último dia útil antes do início da 1ª Rodada do 2ª Turno da 1ª Fase. Após esta data não terão condição de jogo.

§ 6º - Poderão participar na COPA 11 somente atletas nascidos no ano 2008; Poderão participar na COPA 12 somente atletas nascidos no ano 2007; Poderão participar na COPA 13 somente atletas nascidos no ano 2006.

§ 7º - Os clubes deverão a partir de 48 horas antes das partidas, escalar 20 atletas e comissão técnica (11 e 12) e 25 atletas e comissão técnica (13) até 1 hora antes da partida, devendo entregar a relação (escalação) impressa e carteirinhas de identificação expedida pelo DRT da FPF até 30 minutos antes da partida, informando os titulares e os suplentes em quantidade determinada em cada categoria que participarão oficialmente da partida.

§ 8º - A pré-súmula conterá:

I - A numeração constante no uniforme de cada atleta;

II - O número de registro CBF do atleta (BID);

III - Os nomes completos dos atletas relacionados;

IV – Opção de titular e reserva;

V – Número do documento de identificação dos atletas relacionados (RG);

VI - A relação dos membros da comissão técnica, contendo o nome completo, função e o número do documento de identificação;

VII - Assinatura do responsável pelo CLUBE e do capitão do time.

§ 9º - Caso o CLUBE julgue pertinente à apresentação de outras informações, estas deverão ser apresentadas em documento separado, em papel timbrado do clube, devidamente assinado pelo responsável designado.

§ 10 - Em nenhum caso será admitida a entrega de relação redigida manualmente.

§ 11 - Caso os CLUBES não efetuem o preenchimento da pré-súmula antes das partidas, ou não sendo entregue tal documento, deverá ser solicitado

o lançamento manual pelo suporte É-Gol para registro das informações da partida na súmula, sendo tal situação relatada pelo Arbitro e Delegado.

§ 12 - Os atletas ausentes na relação final entregue ao Delegado, terão até o apito final do 1º Tempo, para se apresentarem ao Delegado da partida. No intervalo da partida, o atleta atrasado não terá mais condição de jogo. 

 

Art. 13 – Para a categoria 11 e 12 a equipe será composta de 08 (oito) atletas titulares, entre os quais 01 (um) será o goleiro, e no mínimo 3 (três) a no máximo 06 (seis) atletas reservas.

 

Art. 14 – Para a categoria 13 a equipe será composta de 11 (onze) atletas titulares, entre os quais 01 (um) será o goleiro, e no mínimo 4 (quatro) a no máximo 08 (oito) atletas reservas.

 

Art. 15 – Para todas as categorias serão obrigatórias as substituições de todos os atletas suplentes relacionados.

§ 1º - As substituições só poderão ser realizadas durante as paradas técnicas e/ou intervalo.

§ 2º - Os atletas substituídos não poderão retornar ao campo de jogo, exceto, tenham ocorrido todas as substituições e surjam atletas lesionados.

§ 3º - Será obrigatório os suplentes jogarem pelo menos ¼ da partida.

 

Art. 16 – De acordo com o artigo 162 do CBJD, os menores de 14 (quatorze) anos são considerados desportivamente inimputáveis, ficando sujeitos à orientação de caráter pedagógico.

§ 1º - Haverá advertência verbal;

§ 2º - Haverá substituição disciplinar para os atletas nas partidas.

§ 3º - Na categoria 11 e 12 o atleta substituído disciplinarmente poderá retornar à partida somente em outro ¼ da partida.  

§ 4º - Para a categoria 13 o atleta substituído disciplinarmente não poderá retornar à partida, não havendo a necessidade do cumprimento da automática.

 

Art. 17 – O CLUBE mandante deverá disponibilizar ao menos um médico, ou um enfermeiro, ou um técnico em enfermagem. Independente da opção, o profissional eleito deverá estar regulamente inscrito no órgão de classe (CRM e/ou COREN). A identificação profissional deverá ser apresentada ao Delegado da Partida

Parágrafo único – Não haverá a necessidade de estar relacionado na pré-súmula este profissional (médico, ou um enfermeiro, ou um técnico em enfermagem).

 

Art. 18 – Não será obrigatório a presença de Maqueiros e Gandulas nas partidas.

 

CAPÍTULO V

DO TEMPO DA PARTIDA E ESTRUTURA

 

Art. 19 - As partidas serão divididas em 2 (dois) tempos de jogo, com intervalo de 10 (dez) minutos, da seguinte forma:

- Categoria 11: 2x20 minutos;

- Categoria 12: 2x25 minutos;

- Categoria 13: 2x30 minutos;

§ 1º – Os CLUBES que participarão da primeira partida deverão se apresentar em campo até 10 (dez) minutos para o início da partida.

§ 2º – Os CLUBES da segunda e terceira partidas deverão se apresentar em campo logo após o término da sua partida preliminar.

§ 3º – Os CLUBES deverão retornar até no máximo 08 minutos do intervalo para o reinício da partida.

§ 4º – Haverá 2 (dois) minutos de parada técnica em cada um dos tempos de jogo para realização das substituições, hidratações e orientações técnicas.

 

Art. 20 – As dimensões do campo na categoria 11 e 12 serão entre 60-70m de comprimento e 40-50m de largura. As traves com 6 x 2,20m.

Parágrafo único – na categoria 13 será campo oficial.  

 

Art. 21 – As bolas na categoria 11 serão nº 4. 

Parágrafo único – na categoria 12 e 13 será a mesma bola utilizada nas competições de base regidas pela FPF.  

 

CAPÍTULO VI

DA ORDEM E DA SEGURANÇA DAS PARTIDAS

 

Art. 22 – Será obrigatório tocar o hino nacional brasileiro e o hino do estado do Paraná pelo mandante, somente na primeira partida da sequência de três.

 

Art. 23 – Não obstante ao pedido de policiamento encaminhado pela FPF, o CLUBE mandante deverá solicitar formalmente, policiamento para seus jogos, devendo o mesmo comprovar seu pedido mediante cópia da solicitação à Polícia Militar do Estado do Paraná, com protocolo de recebimento e o mesmo deverá ser entregue ao Delegado da FPF antes do início da partida.

 

Art. 24 - Os acessos entre os vestiários e o campo de jogo deverão permanecer trancados durante a partida, sendo abertos somente após o término do 1º tempo e no final do jogo, e no período em que estiverem fechados, suas chaves ficarão sob a guarda do Delegado da FPF.

Parágrafo único – No caso do atleta ou integrante do banco de reservas da categoria 13, substituído disciplinarmente ou expulso de campo pelo árbitro, respectivamente, o mesmo deverá ser encaminhado até o respectivo vestiário pelo Delegado da FPF.

 

Art. 25 - As entrevistas de rádio e televisão não poderão ser realizadas dentro do campo de jogo. A presença de repórteres de rádio e televisão nos arredores do campo de jogo será admitida apenas atrás dos gols.

Parágrafo único – Será permitida a presença de fotógrafos na lateral, até o limite da linha da grande área, sempre no lado oposto ao do assistente.

 

Art. 26 - Os CLUBES devem facilitar de todas as formas a atuação dos Delegados da FPF, sob pena de descumprimento deste Regulamento.

 

Art. 27 - O pagamento dos valores mencionados no boletim financeiro deve ser efetuado pelo CLUBE mandante, até o fim do terceiro jogo, ao Delegado da FPF designado para a partida, sob pena de:

I - imediata suspensão da escalação de árbitros e demais membros do quadro móvel da FPF para as próximas partidas cujo mando de campo seja do CLUBE devedor, até o cumprimento da obrigação;

II - encaminhamento do boletim financeiro ao Tribunal de Justiça Desportiva, diante do disposto no art. 191, inciso III, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva.

 

Art. 28 - Será permitido a cada CLUBE, no recinto do jogo, a permanência de 01 (um) técnico, 01 (um) auxiliar técnico, 01 (um) preparador físico, 01 (um) médico, 01 (um) massagista, fisioterapeuta ou enfermeiro, 01 (um) preparador de goleiros e 01 (um) intérprete desde que previamente demonstrada à necessidade e aprovado pela FPF.

 

Art. 29 - A alteração de datas e horários de jogos será apenas recebida com o comum acordo entre os CLUBES, que deverá ser protocolado, através de ofício encaminhado à FPF, com antecedência mínima de 04 (quatro) dias da partida, para análise e decisão pela FPF.

 

Art. 30 - O CLUBE mandante deverá utilizar o seu uniforme número 1.

Parágrafo único – Quando coincidirem as cores das camisas dos CLUBES, será obrigatório o mandante trocar o uniforme.

 

Art. 31 - Em cada partida o CLUBE mandante deve providenciar 03 (três) bolas da marca patrocinadora exclusiva da FPF, enquanto uma estiver sendo utilizada no jogo, as outras duas ficarão posicionadas ao lado da mesa do Delegado da FPF.

Parágrafo único – Poderão ser utilizadas durante as partidas outras linhas de bola da marca “TOPPER SAMBA”.

 

 

CAPÍTULO VII

DOS TROFÉUS E TÍTULOS

 

Art. 32 - Ao CLUBE vencedor de cada categoria, será atribuído o título e entregue o troféu de CAMPEÃO, além de 30 (trinta) medalhas.

§ 1º - Ao CLUBE segundo colocado de cada categoria, será atribuído o título e entregue o troféu de VICE-CAMPEÃO, além de 30 (trinta) medalhas.

§ 2º - Serão premiados com troféus o artilheiro e o goleiro menos vazado de cada categoria.

§ 3º - Os CLUBES que disputarem a FINAL, ao término da partida, deverão portar-se para a solenidade da entrega das premiações.

§ 4º - No caso de algum CLUBE se ausentar da solenidade prevista no parágrafo anterior, perderá o direito de receber as premiações, além de estar sujeito a pena prevista pelo parágrafo único Art. 07 do RGC.

 

CAPÍTULO VIII

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

 

Art. 33 - Todos os atos da FPF relacionados à COPA serão publicados junto à tabela no site www.federacaopr.com.br no campo Competições e no link “Boletim Oficial”. O site deve ser acessado diariamente pelos CLUBES participantes, para conhecimento e cumprimento.

 

Art. 34 - Os CLUBES que concordam em participar da COPA reconhecem a legitimidade do presente regulamento e o aprovam integralmente, sem restrições, comprometendo-se a cumpri-lo.

 

Art. 35 - A FPF se resguarda a alterar o nome da COMPETIÇÃO a qualquer tempo, sem necessidade de qualquer autorização dos CLUBES participantes.

 

Art. 36 - Compete exclusivamente à FPF resolver os casos omissos e interpretar o disposto neste regulamento, cabendo ao Presidente da FPF expedir atos e instruções que se fizerem necessários para o bom e fiel cumprimento deste regulamento.

 

Curitiba, 27 de Maio de 2019.

 

HÉLIO PEREIRA CURY

Presidente

 

MARCIUS KOEHLER

Gerente de Competições

 

 

ANEXO I

CLUBES PARTICIPANTES:

 

  1. CLUB ATHLETICO PARANAENSE
  2. LONDRINA ESPORTE CLUBE
  3. PARANÁ CLUBE
  4. SOCIEDADE ESPORTIVA RENOVICENTE